Este site utiliza cookies. Ao utilizar este site está a consentir a sua utilização de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo
voltar

Mensagem da Direção

Sonho

2021 começou com um momento muito especial para o mundo! 2020 foi sem dúvida um ano de muitos desafios para todos. E depois de um período tão difícil (até desconcertante, mas às vezes também inspirador), só podíamos começar 2021 de braços abertos e cheios de esperança! Pelo menos, eu comecei. E acredito que muitas pessoas também.

As razões para essa esperança eram, para mim, bastante óbvias. A comunidade científica reagiu a uma velocidade surpreendente às notícias do novo vírus. A ciência e os cientistas disponibilizaram todo o seu conhecimento, energia, recursos e criatividade não apenas para decifrar o SARS-CoV-2 o mais rápido possível, mas também para criar diagnósticos, testes serológicos e, o mais importante, múltiplas vacinas contra a COVID-19. E os resultados não poderiam ter sido mais extraordinários. Mesmo antes de a COVID-19 ser declarada uma pandemia global, no início de março de 2020, a BioNTech e a Pfizer já haviam começado a colaborar numa nova vacina contra o novo coronavírus. No espaço de alguns meses, esta vacina atingiu a terceira fase de avaliação em voluntários humanos e, no início de novembro de 2020, tornaram-se os primeiros fabricantes com sucesso num ensaio clínico em larga escala de uma vacina contra o coronavírus. Vários outros, a nível mundial, seguiram caminhos paralelos. E, em pouco menos de um ano, tínhamos disponíveis várias vacinas seguras e muito eficazes para proteger-nos contra as formas mais graves da COVID-19. Então, sim, tínhamos boas razões para nos sentir esperançosos!

Mas logo percebemos que nossas esperanças não eram em vão. Durante o primeiro trimestre de 2021, mais de 600 milhões de doses dessas vacinas foram administradas por todo o mundo. E uma enorme quantidade de dados foram compartilhados, mostrando imediatamente o notável benefício da vacina. Em Portugal, o impacto da vacinação contra a COVID-19 tornou-se amplamente notado. Em abril, sem surpresa, visto que várias restrições foram levantadas, o número de casos começou a aumentar novamente. Ainda assim, o número de óbitos na faixa etária de +80 anos, aquela com maior proporção de pessoas já vacinadas, permaneceu muito menor do que antes das vacinas terem sido disponibilizadas. A evidência de que a ciência é a melhor ferramenta disponível, não apenas para compreender o mundo, mas também para resolver os seus problemas estava diante de nós e de toda a sociedade.

Assim, enquanto “esperança” foi a primeira palavra para 2021, a mesma não durou mais de 2-3 meses e foi facilmente substituída por “sonho”. A nossa mentalidade mudou. A pandemia e nossa reação a ela deixaram claro que, juntos, podemos resolver os problemas mais difíceis. Perceber isso fez-me pensar numa conversa que tive com a minha colega e boa amiga do MIT, Sangeeta Bhatia, 10 anos antes. Um dia, durante o almoço, ela perguntou-me: “Quando é que percebeste que querias e podias mudar o mundo?”. Diante do meu constrangimento e incapacidade de gerar qualquer resposta interessante, ela decidiu dar-me a sua própria resposta: “Para mim foi no meu primeiro dia de aulas, quando tinha 6 anos. O meu pai acompanhou-me até à entrada da escola e, antes de se despedir, disse: “Este é o lugar onde a partir de hoje terás acesso a todas as ferramentas necessárias para um dia mudar o mundo. Aproveita.". Uau, uma mensagem tão simples, mas poderosa!

Em 2011, Ellen Johnson Sirleaf, então presidente da Libéria e mais tarde galardoada com o Prémio Nobel da Paz, foi convidada a falar com estudantes de Harvard na sua cerimônia de formatura. No seu emocionante discurso ela disse: “O tamanho dos sonhos deve sempre exceder a capacidade atual de realizá-los. Se os teus sonhos não te assustam, é porque não são grandes o suficiente.”. Não poderia concordar mais. Sonhar em grande é fundamental. A verdade é que se começarmos com um sonho pequeno, como a vida impõe exigências e obstáculos à sua realização, pouco ou nada restará dele.

Então, qual é o nosso sonho para o iMM e como pretendemos torná-lo realidade? Esta questão tem ocupado as nossas cabeças; a resposta é definitivamente um trabalho em desenvolvimento.

Alguns anos antes da pandemia, Steve Caddick, professor de biologia química da University College London e diretor de inovação do Wellcome Trust, disse: “Temos de ser ousados, se queremos melhorar a saúde humana e, para isso, a ambição é essencial.” A pandemia, a nossa reação e os resultados do esforço e dedicação de todos, só mostram que essa afirmação é verdadeiramente sagaz. Devemos ser ousados!

Mas como? Na passagem do milênio, Bill e Melinda Gates ousaram propor erradicar a malária antes de falecer. Dezesseis anos depois, Mark Zuckerberg e Priscilla Chan prometeram 3 bilhões de dólares para acabar com todas as doenças do mundo. Diante destas ações, como podemos ser ousados? A verdade é que esses bilhões de dólares não são suficientes para objetivos tão ambiciosos. O Francis Crick Institute em Londres gasta essa quantia em menos de 10 anos. O Wellcome Trust planeia gastar £16 bilhões nos próximos dez anos para “avançar com a descoberta científica e enfrentar os problemas de saúde mais urgentes do mundo”. Mas todas estas iniciativas acontecem porque os seus interlocutores sabem que a única maneira de alcançar o objetivo final – um futuro sem (ou com pouca) doença – só é possível se um movimento global a longo prazo para financiar a ciência, com o apoio dos cidadãos em todo o mundo, acontecer. Eles podem querer ser a faísca, mas para que o processo seja bem-sucedido, precisamos que muitos mais de nós estejam envolvidos. E embora devamos sempre pensar livre e globalmente, temos a responsabilidade de agir local e eficientemente.

Devemos fortalecer a nossa comunidade, atraindo cientistas mais brilhantes e ambiciosos, e proporcionando-lhes condições competitivas internacionalmente, para que possam perseguir as suas aspirações e as respostas às perguntas mais criativas – as perguntas que ninguém se atreveu a fazer antes, as perguntas ainda sem resposta! Mas também devemos criar espaço e condições para encontrar soluções para os problemas de saúde mais vitais. E não tenho dúvidas de que o tempo e o espaço estão aqui e agora! Agora, porque devemos aproveitar a nossa própria e crescente experiência de quase 20 anos a procurar perguntas, assim como o nosso recente envolvimento na solução de problemas durante a pandemia. Aqui, porque, além de nós cientistas e de todos os iMMers que trabalham juntos para um futuro mais saudável, o nosso campus está repleto de estudantes ávidos por aprender, profissionais médicos que precisam de respostas e soluções e cidadãos que, com o tempo e o indispensável empoderamento, irão entender que um lugar como o iMM, onde a ciência encontra a medicina, também é uma parte importante do sonho de uma vida longa e saudável. Então, vamos ser ousados ​​juntos. Individualmente podemos certamente fazer a diferença. Mas coletivamente seremos capazes de ser a mudança que queremos ver no mundo.

Maria Manuel Mota (Diretora Executiva)

Ambiente Científico Vibrante

O iMM - Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes é considerado um dos principais institutos de investigação científica em Portugal. Privado e sem fins lucrativos, oferece um ambiente científico dinâmico e vibrante, onde o objectivo é promover a investigação biomédica básica, clínica, e de translação.

Fundado em 2002, o iMM estabeleceu-se como um instituto de investigação biomédica competitivo em termos nacionais e internacionais. A estratégia tem sido definida por um aumento constante centrado na excelência, e na investigação de alto impacto, apoiada sempre por recursos humanos de alta qualidade, queremos uma atmosfera onde todos - investigador, pessoal técnico e administrativo - sintam que contribuem para o sucesso da instituição, e que essa instituição tem o objetivo comum de criar novos conhecimentos que terão impacto na saúde humana.

Projetos cofinanciados pelo FEDER através POR Lisboa 2020 - Programa Operacional Regional de Lisboa, do PORTUGAL 2020 e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Projetos | LA/P/0082/2020

Projetos | UIDP/BIM/50005/2020

Projetos | UIDB/BIM/50005/2020

Projetos | UID/BIM/50005/2019

Projetos | Concurso 02/SAICT/2017

Projetos | Concurso 03/SAICT/2015

Projetos | Concurso ICDT2014

Projetos | UID/BIM/50005/2013 - LISBOA-01-0145-FEDER-007391

Visão, Missão e Valores

O nosso objetivo:

Abrir caminho para uma maior inovação na ciência.


A nossa visão:

Melhorar a vida humana através de investigação biomédica de excelência.


A nossa missão:

  • Promover a investigação biomédica básica, clínica, de translação e a inovação nestas áreas, com o objetivo de contribuir para um melhor conhecimento dos mecanismos das doenças, para o desenvolvimento de novos testes de diagnóstico ou de previsão, e para novas terapêuticas.
  • Apoiar a formação científica pós-graduada de jovens licenciados, médicos e outros profissionais da Saúde.
  • Apoiar a divulgação científica e a prestação de serviços ao exterior nas áreas do diagnóstico especializado, controlo de qualidade e colaboração em Comissões Nacionais e Internacionais relacionadas com a Saúde.

Os nossos valores:

Geração de conhecimento, excelência, liberdade individual e ambição.

Organização e Estrutura

Membros Associados ao iMM
  • Universidade de Lisboa
  • Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
  • Centro Hospitalar Universaitário Lisboa Norte - Hospital Santa Maria
  • Associação para a Investigação e o Desenvolvimento da Faculdade de Medicina
  • Fundação Oriente

Assembleia Geral

A Assembleia Geral é composto por representantes dos Membros Associados e reúnem, pelo menos uma vez por ano, para analizar o relatório científico e financeiro e para aprovar o plano de atividades e orçamento do ano seguinte.


Direção

A Direção é responsável pela gestão do Instituto, de acordo com o plano aprovado e definido em Assembleia Geral.

M. Carmo-Fonseca
MD, PhD - Presidente

Maria M. Mota
PhD - Diretora Executiva

Bruno Silva-Santos
PhD - Vice-Diretor

Para qualquer assunto relacionado com a Direção do iMM, contacte:
- Clara Artur (Assistente da Direção)
clara.artur@medicina.ulisboa.pt
- Patricia Cucio (Assistente da Presidente)
pcucio@medicina.ulisboa.pt


Diretor Financeiro e de Operações

Fausto Lopo de Carvalho


Conselho Científico Consultivo

Realiza avaliações periódicas a programas específicos de investigação no iMM, e é composta por peritos internacionais das áreas científicas.

Carlos Caldas
MD, PhD, Chairman
Cancer Research UK Cambridge Institute
Cambridge Cancer Center, UK

Caetano Reis e Sousa
PhD
Francis Crick Institute, London, UK

Elaine Mardis
PhD
Institute for Genomic Medicine at NationWide Children's Hospital, USA

Yasmine Belkaid
PhD
National Institutes of Health, USA


Conselho Societal Consultivo

António Barreto
Chairman
Sociólogo e Colunista

Graça Franco
Grupo Renascença

Paula Martinho da Silva
Advogada

Diogo Lucena
NOVA School of Business and Economics

João Filipe Queiró
Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Henrique Leitão
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Pedro Norton
Finerge

Domítilia dos Santos
The dos Santos Group


Conselho Industrial Consultivo

Daniela Couto
Biogeneration Ventures Fund

David Malta
Vesalius Biocapital

Isabel Ferreira
Versameb

Miguel Forte
Zelluna Immunotherapy

Pascale Redig
Janssen

Política de Qualidade

  • Apoiar os Investigadores do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes (iMM) a prosseguir com sucesso sua Missão.
  • Identificar as necessidades de melhoria nas áreas técnica, logística e administrativa de modo a satisfazer as necessidades/expectativas dos Clientes e promover as medidas necessárias para a resolução das dificuldades surgidas no decurso da sua atividade.
  • Promover a interação entre a comunidade científica do iMM e os vários parceiros sociais, entre as quais instituições académicas e de saúde e industria, para fomentar o desenvolvimento da Ciência.
  • Cumprir com requisitos e melhorar a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade.

Equidade, Diversidade e Inclusão Grupo

O Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes promove a criatividade, a ambição e a liberdade enquanto valores fundamentais. Como parte integral destes valores, assumimos também um compromisso para promover a equidade, diversidade e inclusão.

A missão do grupo Equidade, Diversidade e Inclusão é identificar, consciencializar e implementar medidas relacionadas com Diversidade e Inclusão. O nosso objectivo é tornar o iMM um instituto onde ninguém é desfavorecido pelas suas características.

Quem somos?

Pode contactar-nos através do email imm-diversity@medicina.ulisboa.pt

Consulte aqui o iMM Gender Equality Plan 2022-2025 (apenas disponível em Inglês).

CAML - Centro Académico de Medicina de Lisboa

O Centro Académico de Medicina de Lisboa-CAML é um centro académico inovador e um consórcio de três instituições: Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte-CHULN, um dos principais hospitais portugueses; Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa-FMUL, a maior escola médica nacional; e o Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes-iMM, um instituto de investigação biomédica de excelência.

O CHLN, a FMUL e o iMM são reconhecidos externamente pelas suas forças nos seus próprios domínios. Ao juntar esforços, o CAML irá alcançar um nivel mais elevado de reconhecimento internancional pela excelência na área da saúde, investigação biomédica e educação.