procuramos
perguntas:

pt en
Menu

Investigadores do iMM Lisboa recebem financiamento de 6 milhões de euros Conselho Europeu de Investigação

Fevereiro 6, 2015

João Barata, Henrique Veiga-Fernandes and Bruno Silva-Santos were awarded a Consolidator Grant from the European Research Council (ERC) of 2M Euros each.

Bruno Silva-Santos é Vice-Diretor do Instituto de Medicina Molecular (IMM) e Professor Associado com Agregação da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Dirige uma equipa de investigação na área da Imunologia no IMM e ensina os estudantes de Medicina e Ciências da Saúde da FMUL desde 2005/ 2006. Bruno Silva-Santos doutorou-se em Imunologia pelo University College de Londres em 2002, inserido no Programa Gulbenkian de Doutoramento em Biologia e Medicina. Durante os seus 7 anos em Londres, Bruno Silva-Santos trabalhou no Cancer Research UK (1998-2002) e no King's College London (2002-2005), onde foi eleito Jovem Investigador do Ano em 2005. Em 2006, aquando do seu regresso a Portugal, Bruno Silva-Santos foi galardoado pela European Molecular Biology Organization (EMBO) com uma Installation Grant e, em 2010 foi eleito Young Investigator da EMBO. Ainda em 2010, juntou-se à prestigiada rede de vencedores das Starting Grants do ERC-European Research Council, que agora lhe atribui um financiamento na fase seguinte da sua carreira – Consolidator. Bruno Silva Santos publicou múltiplos artigos científicos nas revistas internacionais mais conceituadas, como Science, Nature e Nature Immunology, entre outras. Recebeu o Prémio Pfizer em Investigação Clínica em 2009, e em 2011 foi nomeado membro da European Academy of Tumor Immunology.

Henrique Veiga-Fernandes licenciou-se em Medicina Veterinária pela Universidade Técnica de Lisboa. Doutorou-se pela Université René Descartes em Paris, França. Fez o seu trabalho de pós-doutoramento no National Institute for Medical Research em Londres, Reino Unido, onde viria mais tarde a desempenhar funções como cientista sénior. Iniciou o seu trabalho no Instituto de Medicina Molecular em 2009 como coordenador do seu grupo de investigação. Desde 2014 é membro da direcção do Instituto de Medicina Molecular. Foi premiado anteriormente, por duas vezes, pelo European Research Council, em 2008 e 2013. Entre outras distinções incluem-se os prémios Pfizer em Portugal, Kenneth Rainnin Foundation e CCFA, ambos nos Estados Unidos.

João T. Barata dirige um laboratório no Instituto de Medicina Molecular e é Professor Associado Convidado na Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa. Licenciou-se em Biologia em 1996 na Universidade de Coimbra e em 2003 completou o seu Doutoramento em Ciências Biomédicas em Harvard Medical School (EUA) e Universidade do Porto.
De 2003 até 2006 fez o seu Pós-Doutorado no Instituto de Medicina Molecular. Durante este período desenvolveu também trabalho no Instituto Pasteur em França e University Medical Center Utrecht, na Holanda. Desde 2006 que tem o seu próprio laboratório no Instituto de Medicina Molecular. João T. Barata publicou múltiplos artigos científicos em revistas internacionais de elevado prestígio como, Journal of Clinical Investigation, Journal of Experimental Medicine, Nature Genetics, Blood, Leukemia e Cancer Research entre outras. Em 2011 a qualidade de investigação realizada pelo seu grupo foi reconhecida pelo Parlamento Português e em 2013 recebeu do Ministério da Saúde uma medalha de prata pelos serviços distintos na ciência.

Mais informação sobre o Conselho Europeu de Investigação:
Criado em 2007 pela União Europeia, o Conselho Europeu de Investigação (ERC na sigla em inglês) é a primeira organização Europeia de financiamento para "investigação de fronteira". Procura estimular a excelência científica na Europa ao encorajar os melhores e mais criativos investigadores de qualquer nacionalidade e idade a competir por financiamento. O ERC opera de acordo com uma abordagem que permite que os investigadores identifiquem novas oportunidades em qualquer área de investigação, sem temas prioritários pré-estabelecidos. O ERC já financiou mais de 4 000 projetos por toda a Europa desde 2007. Portugal já recebeu 36 projetos financiados pelo ERC.

Este site usa cookies. Algumas cookies são essenciais para a correcta operação do mesmo e já foram configuradas.
Pode bloquear e apagar as cookies deste site, mas algumas partes poderão não funcionar correctamente.